Pazolini inaugura Escola Paulo Freire e se torna o pai dos pobres levando dignidade aos bairros carentes de Vitória

271

Uma obra emblemática, aguardada por gerações de uma mesma comunidade. 20 anos de espera, sem dignidade, sem respeito por parte do poder público, alunos aliciados pelo o crime, pais desorientados.

Esse era o quadro de uma comunidade, de uma região compreendida entre os bairros Inhanguetá, Estrelinha, Bela Vista, Universitário

 

e Grande Vitória, infinitos protestos, porém as administrações de João Coser e Luciano Rezende não respeitaram a dor e a angústia de uma comunidade.

                     UM NOVO TEMPO

A Prefeitura de Vitória entregou, neste sábado (4), a Escola Municipal de Ensino Fundamental em Tempo Integral (Emef TI) Paulo Reglus Neves Freire, em Inhanguetá, na região da Grande Santo Antônio. Um investimento, em recursos próprios, de R$ 6.865.314,66, que vai beneficiar mais de 400 estudantes.

 

O prefeito de Vitória, Lorenzo Pazolini, celebrou esse momento tão importante para a gestão.

“Após tanto tempo de angústia e ansiedade para essa comunidade, estamos hoje comemorando essa entrega representativa e que vai mudar a vida de muita gente. Muitos perguntaram se teria essa obra pronta. Não faltou empenho de nossa equipe. Quero agradecer a todos operários que trabalharam nessa obra. Vou continuar lutando muito em defesa da nossa linda cidade, enfatizou o prefeito Lorenzo Pazolini”.

 

A obra está contemplada no planejamento estratégico do município, denominado “Plano Vitória”, nas ações referentes às obras de construção, reforma e ampliação de escolas, com o objetivo de ampliar a oferta de vagas nas modalidades de ensino regular e em tempo integral, e melhorar a infraestrutura física de Centros Municipais de Educação Infantil (Cmei) e Escolas Municipais de Ensino Fundamental (Emef) da rede de Vitória.

Era uma obra faraônica, alunos protestavam diariamente

“Há mais de 20 anos essa comunidade espera pela Emef Paulo Freire, que sempre funcionou em sedes provisórias. Não estamos aqui hoje entregando um prédio, estamos entregando respeito, dignidade, visibilidade, afeto. Não queremos que essa escola seja só mais uma, um espaço novo, queremos que a Emef Paulo Freire seja referência de aprendizagem em Vitória. Nós precisamos que as nossas escolas sejam espaços de convívio ético, seguro, agradável, espaços de amorosidade e respeito. Agradeço ao prefeito Lorenzo Pazolini pelo investimento, não fazemos uma gestão de promessas, nós estamos executando mais de R$ 108 milhões em obras porque nós acreditamos na educação e na aprendizagem das nossas crianças e estudantes”, destacou a secretária de Educação de Vitória, Juliana Rohsner.

Pazolini chora ao lembrar de moradora

                   O CHORO DO PREFEITO E A COMPAIXÃO POR UMA MÃE

O locutor anuncia o discurso de inauguração, em poucos segundos o prefeito desce do palco discursando,  porém se mistura junto a comunidade e ali lembra de uma senhora que o implorou durante a campanha de 2020 para que ele prefeito eleito realizasse  a conclusão daquela obra. Em meio aos presentes Pazolini chora copiosamente, as lágrimas eram também de reminiscências Pazolini perdeu o pai muito jovem, o choro impactua de maneira sobrenatural a todos os presentes, Pazolini lamentava a morte de um adolescente, sem escola aliciado pelo o tráfico de drogas.

                   FESTA PARA AS CRIANÇAS

 

A festa para a comunidade escolar, que prestigiou o evento, teve show com Macakids, Show de Física da Ufes, Trupe Ratimbum, bailarinas da Escola de Teatro, dança e música Fafi, castelão, pula-pula, picolé, pipoca, e algodão-doce.

 

                    A OBRA

O projeto da Emef contemplou 14 salas de aula, além de uma sala de recursos multifuncionais, laboratório de informática, biblioteca, pátio coberto e descoberto, mesas de jogos, refeitório e cozinha, salas de dança, música, ciência, artes, vídeo e auditório para 132 lugares e duas quadras, uma poliesportiva e uma de vôlei.

 

“Demos a ordem de serviço em março de 2021 na obra que estava há mais tempo parada na cidade. Em menos de dois anos estamos entregando essa importante obra”, afirmou o secretário de obras, Gustavo Perin.

 

O prédio tem ainda uma rampa interna adaptada para pessoas com deficiência, banheiros, recepção, secretaria, área administrativa e pedagógica além de uma guarita, quadra poliesportiva e 10 vagas de estacionamento para automóveis, seis para motos, uma para carga e descarga e vagas para 48 bicicletas.

 

“Essa comunidade é minha parceira. Tínhamos um barracão aqui. Retornei para a Paulo Freire em 2018. Estava a mesma coisa, nossas crianças diretoras estudando em uma estrutura inadequada. Essa escola não deixa nada a desejar em toda a cidade. É mais que um presente”, celebrou a diretora da unidade de ensino, Aerodilse Fernandes, que fez um agradecimento especial ao prefeito com uma placa e uma fala especiais:

 

“Acompanho o senhor desde quando era delegado. Sempre defendi as crianças e recebia elogios dos pais que faziam atendimento com o senhor”, disse a diretora, emocionando o prefeito.

 

Até o ano passado, a escola funcionava em local provisório, atendendo 433 alunos.

 

              HISTÓRICO

A história da escola começou ainda em 2003, como um anexo para duas turmas da Emef Heloísa Abreu Júdice de Mattos. Mais tarde, por meio da Lei Municipal nº 6.901/2007, o anexo se tornou a Emef Paulo Freire, que atendia, à época, oito turmas de 1º a 3º ano.

 

Desde o início, a escola funcionou em espaços alternativos, com a promessa de construção de uma sede definitiva para a unidade de ensino. A área para abrigar a escola, porém, foi desapropriada apenas em 2010, e a primeira etapa da obra foi iniciada em outubro de 2011. Mas, em dezembro de 2015, a empresa que venceu a licitação assinou a rescisão do contrato de forma amigável.

 

Após nova licitação, a segunda etapa da obra teve início em maio de 2017. Contudo, por problemas na execução do empreendimento, houve a rescisão unilateral do contrato em agosto de 2018.

 

Em dezembro de 2019, um novo orçamento foi concluído em função da necessidade de revisão de projeto e reforço estrutural devido à exposição da estrutura metálica ao tempo.

 

O orçamento foi atualizado em agosto de 2020. Em setembro daquele mesmo ano, a licitação foi aberta. Em janeiro de 2021, a licitação da construção da terceira etapa foi concluída  em março a obra   foi então reiniciada pela atual gestão, que agora entrega a escola pronta, como unidade de tempo integral.

 

Crianças inauguram Paulo Freire ao lado de Pazolini