Tenente da Marinha é preso por importunação sexual em boate movimentada em Vitória

8
O caso de importunação sexual ocorreu na região do Triânulo das Bermudas, na Praia do Canto. .

De acordo com a ocorrência registrada na polícia, o militar teria se masturbado na frente de outras pessoas no estabelecimento; caso ocorreu na madrugada deste sábado (21)

Na madrugada deste sábado, um oficial da Marinha do Brasil, um 2º Tenente de 28 anos, foi preso em Vitória, acusado de se masturbar dentro de uma boate no bairro Praia do Canto, uma região conhecida por sua vida noturna agitada. O incidente ocorreu em meio a frequentadores da boate, causando indignação entre os presentes.

O suspeito, cuja identidade não foi divulgada, é natural do Rio de Janeiro e estava alocado em um navio patrulha atracado em Vitória. Testemunhas relatam que o homem teria cometido o ato indecente enquanto estava na boate, chocando uma jovem de 21 anos e suas amigas que presenciaram a cena.

Diante do ocorrido, as jovens imediatamente acionaram os seguranças do estabelecimento, que removeram o militar da boate. A mulher, junto com outras pessoas, manteve o homem sob detenção até a chegada da Polícia Militar, que o prendeu.

A Praia do Canto é uma área muito movimentada, particularmente nos fins de semana, conhecida por abrigar uma série de bares, boates e casas de shows. O comportamento do oficial da Marinha chocou a comunidade local e levantou questões sobre a conduta de militares em locais públicos.

O caso permanece sob investigação e as autoridades não divulgaram mais detalhes sobre as acusações ou sobre o desfecho do incidente. A Marinha do Brasil não emitiu nenhum comunicado oficial até o momento.

O militar detido na Praia do Canto atua no navio-patrulha NPa Gurupá (P-46).

O tenente foi acompanhado pelo superior dele, um 1º tenente da Marinha, até a delegacia do Plantão Especializado da Mulher (PEM), em Vitória, onde foi autuado.

A Marinha informou que o caso está sendo acompanhado e todas as medidas cabíveis e necessárias serão tomadas. A boate onde o caso aconteceu também foi procurada, e lamentou o fato ocorrido e afirmou que teve uma atuação rígida e eficaz dando suporte. Ainda se colocou à disposição para auxiliar nas investigações.

“A casa refuta veementemente qualquer atitude similar ou que fira o respeito e a dignidade de seus clientes, principalmente quando se trata de mulheres e também se coloca à disposição para auxiliar nas investigações e solução do caso”, disse, por meio de nota.